Criança Feliz será exemplo a ser seguido em todo o mundo, diz diretor de fundação

O diretor executivo da fundação holandesa Bernard Van Leer, Michael Feigelson, ressaltou que o Programa Criança Feliz é uma iniciativa que servirá de inspiração para todo o mundo. “O Brasil está comprometido em um processo de grande e rápida escala, maior do que qualquer outro programa que vimos no mundo. Será um ponto de partida para que outros países se inspirem”, afirmou.

Nesta terça-feira (20), Feigelson foi um dos palestrantes da Conferência Internacional da Primeira Infância, promovida pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) e Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), em Brasília.

Segundo o diretor, discutir as políticas públicas com diversos países é um momento histórico no tema da primeira infância. Ele lembrou que o apoio ao Criança Feliz se deu no início, na formatação do programa. Além disso, a instituição assumiu o compromisso de apoiar o MDS na ágil implementação, no monitoramento e na avaliação dos resultados.

“É muito importante este monitoramento para que possamos fazer as mudanças necessárias durante o caminho, sem necessitar esperar dois, três anos, para ver o que ocorreu. Queremos ajudar sempre a melhorar”, afirmou.

As fundações privadas, destacou, devem ter o papel de ajudar os governos a encontrar a melhor forma de investir os recursos. “Também devemos ajudar na continuidade de ações como essas para que sejam uma política de Estado e não uma iniciativa de um governo”.

Na última semana, Feigelson participou de uma visita domiciliar do Criança Feliz no município de Jundiaí (SP) e se comoveu com o resultado observado. “A mãe contou sobre o que aprendeu para estimular o desenvolvimento do filho e a conexão com outros serviços disponíveis no município. Esta mulher já se sente apoiada. Passar nesta casa, que é apenas uma das 240 mil que estão sendo atendidas no país, mostra o quanto esta ação está no caminho certo”.

Luta contra a desnutrição – O Grupo Éxito, uma rede de hipermercados da Colômbia, também tem apoiado ações do governo daquele país para combater a desnutrição crônica – uma em cada dez crianças daquele país sofre com a insegurança alimentar.

Em um dos painéis da Conferência Internacional da Primeira Infância, a chefe de Relações Institucionais do Grupo Éxito, Carolina Borrero, reforçou que a função da iniciativa privada é criar alianças e reunir dados científicos que apoiem tomadas de decisões.

“Devemos reverter o indicador negativo de desenvolvimento humano. Não podemos permitir que as crianças cresçam com oportunidades desiguais. Devemos aproximar o conhecimento da política pública”, apontou. Atualmente, 52 mil famílias colombianas recebem apoio nutricional, além visitas domiciliares, como ocorre no Criança Feliz.

Ao participar do encontro, a gerente de Pesquisa e Desenvolvimento da Fundação Itaú Social, Patricia Guedes, destacou o resultado da união com o setor público para atingir o público mais pobre e em áreas vulneráveis.

A fundação firmou uma parceria com o MDS para entregar livros para as famílias do Criança Feliz, além de criar acervos nos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) e Centros Especializados de Referência de Assistência Social (Creas).

“Tivemos que virar a chave. É fundamental esta parceria com o Ministério do Desenvolvimento Social, porque reforça que o caminho para avançar passa pela intersetorialidade, como se desenhou o Criança Feliz”, ressaltou. Desde 2010, a fundação distribuiu 51 milhões livros infantis em todo o país.

Para a gerente dos Anos Iniciais da Secretaria de Educação do Estado de Amazonas, Keila Dolzanes, conhecer as experiências de cooperação público-privado é importante para dar seguimento às ações sociais que o governo local já desempenha.

“É fundamental nos apropriarmos daquilo que já foi feito em outros Estados e países, aprendermos com acertos e erros, para alavancar as iniciativas no nosso Estado e nos municípios”, disse.

 

da Ascom/MDS

Comentários no Facebook