Outubro Rosa: Mês de prevenção e tratamento do câncer de mama!

outubro-rosa-post

Secretaria Estadual de Saúde de Rondônia alerta para prevenção ao câncer de mama e colo de útero

 

Somente este ano, 85 mulheres foram diagnosticadas com câncer de colo de útero em Porto Velho, e outras 46 mulheres foram diagnosticadas com câncer de mama, na capital de Rondônia. Os números apresentados pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) assustam e infelizmente demonstram que os casos continuam aumentando: de 2015 a 2019, em Rondônia, 266 mulheres morreram em decorrência de câncer de colo de útero, sendo 144 em Porto Velho. No mesmo período, 352 mulheres morreram no Estado, vítimas de câncer de mama, sendo 128 na capital.

Para chamar atenção para esta doença, a Sesau alerta para a importância do diagnóstico precoce, que pode fazer com que as taxas de cura cheguem a até 95% dos casos.

Atitudes simples, como a realização de exames preventivos, mamografia e autoexame das mamas podem fazer a diferença no combate ao câncer. E foi assim que a dona de casa Rosenilda da Silva Barroso, 33 anos, moradora de Xapuri no Acre, descobriu uma alteração em uma das mamas e está em tratamento há 1 ano e quatro meses.

“Percebi logo no inicio que tinha algo diferente fazendo o toque nas mamas. Procurei o médico e foi descoberto o câncer. Agora já fiz as doses de quimioterapia, e em maio, a cirurgia de mastectomia. No momento, estou fazendo a radioterapia e já estou na vitória em nome de Jesus”, diz, emocionada, Rosenilda da Silva Barroso.

 

Rosenilda já está na fase final do tratamento.

Rosenilda já está na fase final do tratamento.

De acordo com estimativas do Instituto Nacional do Câncer (INCA), até o final deste ano cerca de 200 mulheres podem descobrir que tem câncer de mama em Rondônia; na Capital, estima-se 80 novos casos neste ano de 2019. Em 2018, o INCA estimou cerca de 59.700 casos de câncer de mama (feminino) no Brasil. Nas capitais, esse número corresponde a 19.920 novos casos a cada ano.

Katiane Maia, secretária adjunta da Sesau explica que a rede de cuidados da saúde da mulher começa na atenção básica de cada município. “A porta de entrada de atendimento para as mulheres através do SUS é na atenção primária, é na unidade básica de saúde mais próxima de sua residência. O autocuidado é muito importante assim como os exames preventivos, como o papanicolau e a mamografia que ajudam a identificar de forma precoce alguns tipos de câncer, aumentando consideravelmente as chances de cura”, explicou.

 

A importância da identificação precoce

 

Prersidenta do Fonseas: Elisa Cléia Rodrigues.

Presidente do Fonseas: Elisa Cléia Rodrigues.

O Outubro Rosa traz à memória da presidente do Fonseas, Elisa Cléia Rodrigues, o período em que fez o tratamento para o câncer de mama. Ela conta que descobriu que tinha esse problema na mama durante um exame de rotina. “O choque é inevitável, ninguém espera por essa notícia ruim, mas ter descoberto no início, fez toda a diferença no tratamento”.

Além de especial, Elisa considera o Outubro Rosa fundamental para que todas as mulheres reflitam sobre a necessidade de cuidar e de amor o próprio corpo. “Acho também que devemos aproveitar esse mês para falar com as mulheres que estão ao nosso redor, incentivando-as a aproveitar todas as ações que são oferecidas nesse período em todos os estados, e se prevenir”.

Segunda a presidente do Fonseas, “cuidar e amar o nosso corpo, nos deixa com autoestima em alta, a ponto de perceber com mais atenção, todas as transformações e reações pelas quais ele passa”.

 

E em Santa Catarina, uma série de ações está programada para conscientização e prevenção ao câncer de mama

O Governo de Santa Catarina realiza uma série de ações para conscientização e prevenção ao câncer de mama neste mês. As iniciativas fazem parte do Outubro Rosa, movimento de combate à doença, e envolvem diversas áreas, como saúde e educação. O tema da campanha deste ano é Câncer de mama: juntos sem medo.

“Desejamos alinhar ações para alcançar um maior número de pessoas e resultados ainda mais amplos no que diz respeito à prevenção e ao amparo às mulheres que precisam se submeter ao tratamento do câncer. Como Governo do Estado, o que desejamos é somar na causa”, afirma a vice-governadora Daniela Reinehr.

 

O câncer de mama é o tipo mais comum entre as mulheres. Em 2018, a doença respondeu por 32% das mortes por câncer em mulheres catarinenses, seguida das neoplasias em brônquios e pulmões (28%), de acordo com dados divulgados pelo informativo epidemiológico da Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive/SC), da Secretaria de Estado da Saúde (SES).

 

De acordo com os dados do Sistema de Informação de Mortalidade (SIM), em 2018, 657 mulheres morreram por conta da doença em SC. Neste ano, até o dia 30 de setembro, já foram registradas 457 mortes. Por isso, é fundamental reforçar a conscientização sobre o câncer de mama, com informações sobre prevenção e tratamento. Em Santa Catarina, a programação do Outubro Rosa envolve educação permanente de profissionais de saúde nos municípios, ações sociais, palestras, mobilizações em locais públicos e campanhas.

 

Números nacionais

No Brasil, segundo informações do Instituto Nacional de Câncer (INCA), divulgadas pelo Femama, o de mama também é o tipo de câncer que mais acomete as mulheres no país (excluídos os tumores de pele não melanoma).

Para 2019, foram estimados 59 mil casos novos, o que representa uma taxa de incidência de 51,29 casos por 100 mil mulheres. A única região do país em que o câncer de mama não é o mais comum entre as mulheres é a Norte, onde o de colo de útero ocupa a primeira posição.

Com uma taxa de 13,68 óbitos/100 mil mulheres em 2015, a mortalidade por câncer de mama está crescente e está no topo da lista de causa de morte por câncer nas mulheres brasileiras. O Sul e o Sudeste são as regiões que apresentam as maiores taxas de mortalidade, com 15,26 e 14,56 óbitos/100 mil mulheres em 2015, respectivamente.

A incidência da doença aumenta em mulheres a partir dos 40 anos. Abaixo dessa faixa etária, a ocorrência da doença é menor, bem como sua mortalidade, tendo ocorrido menos de 10 óbitos a cada 100 mil mulheres. Já a partir dos 60 anos o risco é 10 vezes maior.

Existe tratamento para câncer de mama, e o Ministério da Saúde oferece atendimento por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

 

Fontes:

http://www.sds.sc.gov.br/index.php/noticias/1323-outubro-rosa-governo-do-estado-promove-acoes-de-prevencao-ao-cancer-de-mama

https://spbancarios.com.br/10/2019/numeros-alertam-que-cuidados-devem-ser-o-ano-todo

http://www.rondonia.ro.gov.br/secretaria-estadual-de-saude-alerta-para-prevencao-ao-cancer-de-mama-e-colo-de-utero-em-rondonia/

 

Comentários no Facebook