Coronavírus: sobre prevenção e ações na Assistência Social

É preciso garantir ações de saúde e coletivas para prevenção, e minimizar os efeitos sociais e econômicos para a população mais vulnerável!!

 

banner-corona

A Organização Mundial de Saúde (OMS) reconheceu que o mundo vive uma pandemia, de uma nova doença, a COVID-19, causada por um novo tipo de Coronavírus. O número de casos no Brasil tem aumentado desde o início de março de 2020, e as projeções de especialistas apontam que em breve o país chegará ao pico de infecções.

Para evitar que o vírus se alastre, é importante que a sociedade como um todo tenha atitudes preventivas em seus locais de trabalho, nos espaços públicos e em casa.

Para orientar a população, o SUS (Sistema Único de Saúde) desenvolveu um aplicativo por meio do qual a população pode obter informações pelo Smartphone. O aplicativo está disponível para download e instalação para Android e para iOS.

Abaixo estão os links para download:
📌iOS: https://apps.apple.com/br/app/coronav%C3%ADrus-sus/id1408008382

📌Android: https://play.google.com/store/apps/details?id=br.gov.datasus.guardioes

 

Além disso, o Fonseas divulga algumas orientações primordiais para que o contágio pelo vírus seja minimizado. As informações foram extraídas do site da Organização Pan-Americana de Saúde no Brasil (OPAS – Brasil):
📌https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6101:folha-informativa-novo-coronavirus-2019-ncov&Itemid=875

O que é o novo vírus e a nova doença?

– Coronavírus: é uma família de vírus que pode provocar infecções respiratórias, desde resfriados até síndromes respiratórias.
– SARS-Cov-2: é o nome dado ao novo vírus que tem popularmente sido chamado de “novo coronavírus”. O vírus tem período de incubação de 1 a 14 dias no organismo humano.
– COVID-19: é a doença causada pelo SARS-Cov-2, o novo coronavírus.
Sintomas: os sintomas mais comuns são coriza, tosse e dor de garganta. Em casos graves, o paciente pode apresentar febre alta, pneumonia e insuficiência respiratória aguda. Alguns pacientes, contudo, podem ter o vírus e não apresentar sintomas.
Contágio: por gotículas de saliva, espirro, tosse ou catarro, pelo toque na mão ou no rosto e também em objetos e superfícies contaminadas. Olhos, nariz e boca são portar de entrada para o vírus.
Grupos de risco: pessoas com mais de 60 anos e pessoas com doenças preexistentes, como diabetes e cardiopatias.

 

Cuidados importantes

– Lave as mãos com frequência com água e sabão ou higienize-as com álcool em gel.
– Evite cumprimentar pessoas com as mãos ou com beijo no rosto.
– Evite aglomeração de pessoas.
– Mantenha distância de um metro para pessoas que apresentem sintomas.
– Evite tocar os olhos, nariz e boca sem lavar as mãos.
– Ao tossir ou espirrar, cubra o rosto com o braço ou antebraço, ou use um lenço descartável, que posteriormente deve ser jogado no lixo e, depois, a pessoa precisa lavar as mãos.
– Não compartilhe objetos de uso pessoal, como copos, talheres e pratos.
– Mantenha a higiene de objetos que você e outras pessoas usem de forma frequente.
– Em caso de contato com pessoas que apresentaram a doença e que estiveram em países em que a epidemia foi registrada, procure atendimento médico.
– Não se automedique. Em caso de sintomas suspeitos, evite contato com outras pessoas e procure ajuda médica.
– Use máscara somente se: apresentar sintomas respiratórios; ao procurar atendimento médico; ao ter contato com pessoas com sintomas ou diagnosticadas.

 

Prevenção no trabalho

– Avalie, dentro de seu local de trabalho, os riscos relacionados a viagens.
– Evite viajar para locais com maior risco da doença.
– Caso tenha mais de 60 anos ou tenha alguma doença que potencialize o novo coronavírus, evite viajar.
– Pessoas que retornem de áreas com mais casos da doença precisam ser monitoradas por 14 dias, com medição de temperatura.
– Se tiver febre ou tosse leve, fique em casa e pratique o auto isolamento.
– Em caso de sintomas após viagens, entrar em contato com profissionais de saúde ou departamento de saúde pública local.
– No trabalho, lave as mãos regularmente.
– Higienize objetos de uso comum e até mesmo de uso particular, como celulares.
– Mantenha distância de pessoas que apresentem sintomas de constipação respiratória.
– Procure não cumprimentar pessoas com as mãos;
– Empregadores, quando possível libere trabalhadores para trabalhos em cada. O isolamento em casa é a melhor prevenção.

 

Sobre a atenção ao público mais vulnerável e Assistência Social

É importante reorganizar as atividades especialmente com população acima de 70 anos, mas também com demais públicos da Assistência Social, no âmbito dos equipamentos de Assistência Social, e garantir condições para a prevenção nos espaços de trabalho. Aglomerações humanas nesta fase apenas contribui para ampliar os casos de contágio. Por isso a importância de reduzir o atendimento ao público, neste momento de estágio mais crítico, conforme orientação sanitária.

O Fonseas permanece na articulação de ações que resultem na destinação de recursos para políticas de seguridade social, especialmente o Sistema Único de Saúde e de Assistência Social.

Ainda, o Fonseas solicitará, em caráter de urgência, medidas a serem adotadas pelo Ministério da Cidadania, como a desburocratização do acesso ao Benefício de Prestação Continuada; acesso de todos os beneficiários que estão cadastrado e na fila aguardando a liberação do benefício; a imediata suspensão de averiguações e atualizações cadastrais; a antecipação da décima terceira parcela do Programa Bolsa Família; a liberação de recursos do IGDSUAS para facilitar a compra de materiais de prevenção ao contágio, como álcool gel, a serem disponibilizados nos equipamentos da Assistência Social, Cras, Creas, Centros Pop, Acolhimentos, demais equipamentos e espaços de atendimento; garantia do repasse de parcelas atrasadas; revogação da Portaria nº. 2362/2019; garantia do orçamento aprovado pelo Conselho Nacional de Assistência Social para a manutenção da atual rede de serviços; disponibilização de recursos adicionais para atendimento emergencial e adequado à população de situação de rua e migrantes.

É fundamental garantir, ainda, políticas e ações de prevenção e atenção básica; testes rápidos para confirmação e isolamento dos casos; leitos para situações de emergência; renda e sobrevivência para toda a população. Por isso a importância de recursos e ações conjuntas, e engajamento de todos os entes federados para minimizar os efeitos sociais e econômicos, bem com como os riscos do Coronavírus.

Vencer o coronavírus é uma responsabilidade de toda a sociedade!

INFORME-SE! PREVINA-SE!

Comentários no Facebook